Pombal acolhe quatro das cinco Unidades Locais de Proteção Civil do distrito

Por: Rita Ribeiro
18-12-2018


O distrito de Leiria vai contar com cinco Unidades Locais de Protecção Civil, em Pombal e Óbidos, que ficarão formalizadas após a ratificação das respetivas comissões municipais de Proteção Civil, divulgou recentemente o Comandante Operacional Distrital, Carlos Guerra.

Em declarações à Agencia Lusa, o responsável explica que “há atualmente cinco Unidades Locais de Proteção Civil (ULPC) constituídas, nos concelhos de Óbidos e de Pombal, mas todas têm ainda que ser formalizadas com a ratificação da Comissão Municipal de Proteção” Civil.

Dos dois concelhos, Pombal é aquele em que o processo se encontra mais avançado, tendo já sido “criadas quatro ULPC nas freguesias de Meirinhas, Pombal, Pelariga e na União de Freguesia da Guia, Ilha e Mata Mourisca”, precisa a autarquia em comunicado.

Após a entrada em vigor da legislação que cria o enquadramento legal das ULPC, em 2015, o município “procedeu à reconversão das Brigadas Autárquicas de Voluntários” nas quatro ULPC, que “entraram em funcionamento no passado verão”.

Embora aguardem a ratificação da Comissão Municipal de Protecção Civil, as ULPC “operaram de acordo com os regulamentos próprios de cada unidade, aprovados em assembleia das respetivas freguesias”, sublinhou a câmara.

As unidades cumpriram já este ano a missão de apoio ao Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Rurais (DECIR2018), tendo ainda, segundo a câmara, “desempenhado um importante papel na reposição da normalidade e de sinalização de situações de perigo no decorrer da Tempestade Leslie”, no passado mês de Outubro.

Além das ULPC no concelho de Pombal, existem ainda sete Brigadas Autárquicas de Voluntários (em Abiul, Almagreira, Carnide, Redinha, Vermoil, Vila Cã e União de Freguesias de Santiago e São Simão de Litém e Albergaria dos Doze) que, de acordo com a autarquia, “seguirão o percurso natural de convergência em ULPC”.

Ao todo, as ULPC e as Brigadas de Voluntários têm nas suas equipas 188 elementos, cuja formação o município assegura anualmente, dotando ainda as equipas com “kits de primeira intervenção, equipamentos de proteção individual, apólices de seguro, e material e equipamento para desempenho das suas funções”.

Além disso, refere o comunicado, “todas as equipas estão equipadas com viaturas todo-o-terreno, preparadas para a vigia e primeira intervenção”.

O objetivo do CODIS é que, “além destas cinco, outras freguesias dos vários concelhos do distrito criem as suas unidades”, aumentando a capacidade de resposta das populações no levantamento de situações de perigo e de atuação em casos de catástrofes.

Publicidade
Últimas